Política

Marcelo Odebrecht depôs em ação que pede cassação da chapa Dilma-Temer

 “Eu não era o dono do governo, eu era o otário do governo. Eu era o bobo da corte do governo”

 

Em depoimento à Justiça Eleitoral, nesta quarta-feira (01), Marcelo Odebrecht disse que se sentia o “bobo da corte” do governo federal.

Ao falar sobre a situação da empreiteira, Marcelo demonstrou descontentamento por ser obrigado a entrar em projetos que não desejava e bancar repasses às campanhas eleitorais. 

Marcelo Odebrecht foi preso em junho de 2015, pela operação Lava Jato, e devido a um acordo de colaboração premiada deve permanecer na carceragem da Polícia Federal em Curitiba até o final deste ano.

Marcelo relatou que tinha contato frequente com o alto escalão do governo – como o ex-ministro da Fazenda do governo Dilma Rousseff, com quem negociava repasses eleitorais.  “Eu não era o dono do governo, eu era o otário do governo. Eu era o bobo da corte do governo”, disse Marcelo Odebrecht.

No depoimento, Marcelo Odebrecht fala sobre a “naturalidade” do caixa 2 em campanha eleitoral, defende a legalização do lobby e deixa claro que a Odebrecht não era a única empresa a usar doações para conquistar apoio político.

De acordo com ele, o uso de dinheiro de caixa dois em campanhas eleitorais é algo “natural”, mas que de alguma forma envolve também propina. Sobre pagamentos de propina, Marcelo Odebrecht disse saber que os empresários precisavam fazer “acertos” para poder atuar.

Comentários

Melhores da Semana

Subir