Entre em Contato Conosco

Política

Porque é melhor um político que nasceu rico à um que veio da classe média?

Publicado

em

Imagem: Internet
Ant1 de 4
Use suas teclas ← → para navegar

Senta que lá vem textão.

Em toda véspera de eleição, costuma-se ouvir bastante críticas de vários lados. Uns defendendo o candidato porque ele fez uma boa campanha um dia em algum lugar, outros defendendo porque o primo do amigo falou que o cara é bom, etc. O que ultimamente não acontecia e que agora virou praxe, talvez porquê o Brasil está mais dividido do que nunca, é reclamar da situação financeira do candidato.

O TSE obriga que todos os candidatos tenham 100% dos seus bens declarados para efetivar a sua candidatura, o que é, de certo modo muito benéfico, pelo menos para a análise que vamos fazer.

Existem várias situações, cada uma com seus prós e contras. Vamos aos fatos:

Candidato que nasceu de classe média e continua na classe média, mesmo envolvido com política há anos.

Atenção, fuja desse sujeito. Se ele já trabalha com política há bastante tempo (principalmente se for como deputado federal) e declarou uma mixaria de bens, atenção, você pode estar sendo enganado, por dois motivos: a) ou ele é um péssimo administrador de contas, pois supondo que ele seja honesto (cóf) e não ganha assim tão mal, estando algum tempo na política, ele ja poderia ter juntado algum dinheiro, investido, aplicado e ter um patrimônio razoável. Se não o fez, é por pura incompetência, ou seja, não serve pra assumir um cargo de prefeito, governador, ou presidente. Uma segunda versão desse sujeito é ainda pior: O sujeito pode sim ser rico, milionário, e ter usado “laranjas” para assumir seus bens e riquezas. Este é o mais preocupante de todos pois é ladrão e malandro. Mais uma vez, fujam!

…continua

Ant1 de 4
Use suas teclas ← → para navegar

Programador, Fotógrafo, Nerd, Pai, Marido, Publicitário e Curioso, não necessariamente nesta ordem. Apaixonado por tecnologia e jogos retrô.

Continue Lendo
Publicidade
Comentários

Política

De olho no prefeito.

Publicado

em

Por

Passados cerca de 250 dias da administração do novo prefeito da cidade de São Paulo, podemos fazer um balanço e avaliar com mais precisão alguns números gerais.

A prefeitura possui o “Portal da Transparência”, onde mantém atualizado todos os dados da prefeitura, como receitas, despesas, doações, etc.

O paulistano poderá ver quanto dinheiro público é destinado ao pagamento dos salários dos servidores, inclusive acompanhar o quanto cada funcionário da administração ganha, o que está gerando muito constrangimento entre os servidores.

Além dos salários, o paulistano poderá conferir no portal contratos e todos o dinheiro gasto com serviços executados pela prefeitura.

O endereço do portal da Transparência é: http://www.portaltransparencia.gov.br/

 

Continue Lendo

Política

Polícia Federal encontra malas e malas de dinheiro em apartamento ligado à Geddel

Publicado

em

Por

A Polícia Federal encontrou, nesta terça-feira (5), uma grande quantidade de dinheiro em um apartamento que seria utilizado por Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), em Salvador.

A ação, chamada de Tesouro Perdido, tem como foco, fraudes na liberação de créditos da Caixa Econômica Federal, a operação Cui Bono. Geddel foi vice-presidente de Pessoa Jurídica do banco entre 2011 e 2013, durante o governo de Dilma Rousseff. No governo Temer, ele foi ministro da Secretaria de Governo.

Continue Lendo

Notícias

A ação que vale mais que a reação.

Publicado

em

Por

Não sou médica, muito menos partidária. Mas não pude deixar de acompanhar nos últimos dias a reação das pessoas em relação à ação do prefeito João Dória com a Cracolândia.

Vamos aos fatos.

Há mais de 20 anos, existe uma grande Cracolândia no centro da cidade de São Paulo, que já mudou de lugar uma vez após uma ação parecida com a do prefeito na semana passada.

A Cracolândia tem como “receita de sucesso” os ingredientes: Traficante + Drogas + Viciados +  LUGAR PROPÍCIO e se torna um ciclo vicioso (literalmente). O traficante fornece droga ao viciado e ao mesmo tempo o ambiente dá segurança para o consumo ali mesmo. O usuário se droga, “curte” o efeito. Espera passar e compra mais. Com a falta de dinheiro e a necessidade de mais drogas, meninas menores de idade se prostituem ali mesmo. Meninos cometem delitos na região. Voltam para o seu porto seguro para comprar mais e usar mais droga. E o ciclo se repete infinitamente. O usuário chega a um ponto (muito rápido com o crack) que deixa de se importar com a própria vida. Tuberculose, Aids, infecções. Deixa de comer. Deixa de viver e começa a vegetar. Como o ambiente é propicio ao uso de crack, os traficantes também são usuários, ou seja, vendem droga para pagar o consumo próprio também.

Como combater?

Combater é uma palavra forte, remete à batalhas, morte, sangue. A palavra ideal neste caso seria “como quebrar este ciclo”?

Qualquer ciclo é quebrado retirando um de seus ingredientes. No caso da Cracolândia, não conseguimos de imediato acabar com os viciados. Não da pra simplesmente conversar com aquelas pessoas, dominadas pela droga, e pedir para que parem de usar. Não da pra acabar de imediato com o fornecimento de drogas, que como sabem vai além da jurisdição de uma cidade, estado e muitas vezes de países. Acabar com o traficante local também é impossível. Não da pra se infiltrar e acompanhar o dia a dia e abordar o traficante e leva-lo algemado. Qual ingrediente sobrou? A localização meu caro leitor. A Cracolândia só existe como ela é pois é um lugar propício e seguro para os usuários, consequentemente para os traficantes.

A ação do prefeito João Dória, por si só, está longe de ser eficaz. O que ele fez, a gestão anterior também fez em 2015 (menos a internação compulsória). Funcionou? Não. Mas o que precisa ser feito é dar continuidade ao processo.

Segundo o prefeito. Foram presas mais de 50 pessoas e outras 20 estão com mandado de prisão detectada.

Mas o que mais gerou polêmica, principalmente pela oposição, que consegue ver defeito em tudo é a internação compulsória dessas pessoas.


Rubens Sabino, ator de Cidade de Deus. Um do Ex moradores e dependentes da Cracolândia.
Foto – G1 / Globo

Gente! A maioria das pessoas presas neste ciclo da Cracolândia não respondem mais pelos atos. Abdicaram da família, dos amigos e principalmente da própria vida há algum tempo!

Vamos deixar o partidarismo de lado e olhar a situação como humanos. Não precisa ser médico pra entender a real situação daquelas pessoas. Não é apenas a internação compulsória que se faz necessária, mas também a prisão dos indivíduos e abandono do local propício.

Ahhh mais agora a Cracolândia só vai mudar de lugar. Errado. Com ação efetiva e contínua, não será possível a formação de novos locais propícios, não no mesmo tamanho e potencial. A velha estratégia de guerra, dividir para conquistar, vale aqui. Grupos menores que inevitavelmente se formarão, serão mais fáceis de serem tratados.

Eu apoio a ação e espero que todos o façam também. Que a prefeitura, em conjunto com o estado, continue com ações efetivas na região. E você?

Continue Lendo

Facebook

Publicidade

Mais Lidas